rei do pano
Especial | ARTIGOS COLUNISTAS

Finanças

Veja em que aplicar sua grana e ganhar mais do que a poupança

Este ano ainda deve ter inflação alta — não tanto quanto a de 2015, mas ainda assim ela deve ficar próximo do teto da meta do governo, que é de 6,5%. O BC (Banco Central) espera aumento geral de preços de 6,2% em 2016, enquanto o mercado financeiro prevê uma aceleração de 6,87%.

Para escapar da inflação e proteger o dinheiro que o trabalhador consegue poupar, há investimentos simples e de baixo risco que rendem mais do que a caderneta de poupança, que registrou o maior volume de saques da história em 2015.  Um exemplo é o Tesouro Direto. Com ele, é possível fazer aplicações com apenas R$ 30.

De acordo com o diretor da corretora Easynvest, Amerson Magalhães, esses títulos do Tesouro Nacional oferecem opções para quem precisa sacar o dinheiro a qualquer momento (curto prazo), para quem pode investir por um período de dois a seis anos (médio prazo) ou para quem pensa na aposentadoria (longo prazo). Confira abaixo os títulos indicados para cada um dos casos.

Características

Os títulos do Tesouro têm cobrança de IR (Imposto de Renda) — ao contrário da poupança, que é isenta —, mas a mordida do Leão é regressiva conforme o tempo que o dinheiro fica investido. Isso significa que os rendimentos terão os seguintes descontos:

— 22,5% para quem retirar o dinheiro com até 180 dias (6 meses) da aplicação;

— 20% para retiradas entre 181 dias e 360 dias (1 ano);

— 17,5% para retiradas entre 361 dias até 720 dias (2 anos);

— 15% para aplicações com prazo acima de 720 dias.

Além disso, quem precisar retirar o dinheiro — e vender o título — com menos de 30 dias, terá o desconto do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Mesmo com esses descontos, o investimento rende mais do que a poupança.

Magalhães explica que os títulos do Tesouro são considerados investimentos conservadores, ou seja para o poupador que não quer correr risco com o seu dinheiro.

Tesouro Selic ou LFT (Letras Financeiras do Tesouro) é o título que está indexado à taxa de juros básica da economia, a Selic. Atualmente, essa taxa é de 14,25% ao ano. Isso quer dizer que um título desse tipo vai render 14,25% em 12 meses, mas esse valor terá o desconto do IR.

Se a taxa Selic subir, o investidor terá um rendimento maior do que o imaginado na hora da compra. Por outro lado, se a Selic diminuir, o rendimento será menor. Ainda assim, o ganho do poupador é maior do que na caderneta.

Tesouro Prefixado ou LTN (Letras do Tesouro Nacional): como o nome já diz, esse título tem a rentabilidade definida no momento da compra e ela não varia com o passar do tempo. O rendimento só é pago no vencimento do título. Se o poupador precisar vender o título antes do prazo, o Tesouro Nacional pagará o seu valor de mercado, de modo que a rentabilidade poderá ser maior ou menor do que a contratada na data da compra, dependendo do preço do título no momento da venda.

Segundo Magalhães, os títulos prefixados são para as pessoas que aceitam um pouco mais de risco, de volatilidade. O prêmio é a rentabilidade um pouco maior.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais ou NTN-F (Notas do Tesouro Nacional, série F): é mais indicado para quem quer usar os rendimentos para complementar a renda a partir do momento da aplicação, pois esse título faz pagamento de juros a cada seis meses.

Isso quer dizer que o rendimento vai ser recebido pelo poupador ao longo do período da aplicação, diferentemente do título Tesouro Prefixado (LTN). Esses pagamentos semestrais representam uma antecipação da rentabilidade contratada, e esses valores pagos a cada seis meses têm desconto do IR.

Tesouro IPCA+ ou NTN-B Principal (Notas do Tesouro Nacional, série B): é o título indexado pela inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Com esse título, o poupador está protegido da inflação, pois ele sempre terá uma rentabilidade acima da alta dos preços.

Isso significa que o poder de compra do dinheiro investido será preservado e haverá uma rentabilidade real. Por essa característica, o Tesouro Nacional afirma que esse título é indicado para quem deseja poupar para a aposentadoria, para comprar a casa própria e para o estudo dos filhos, ou para outros objetivos de longo prazo.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais ou NTN-B (Notas do Tesouro Nacional, série B): similar ao NTN-B Principal, esse título também está indexado pela inflação oficial. A diferença é que o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais, como o nome já diz, paga juros a cada seis meses.

Dessa forma, o rendimento é recebido pelo poupador ao longo do período da aplicação, em vez de receber tudo no final. Os pagamentos semestrais, nesse caso, representam uma antecipação da rentabilidade contratada e também sofrem o desconto do IR.

 

Por: R7