rei do pano
Especial | ARTIGOS COLUNISTAS

Arquitetura

Arquitetura sustentável ganha espaço em Mato Grosso

(Foto: Arquivo pessoal)

A arquitetura sustentável é uma forma diferenciada de conceber projetos de arquitetura de forma sustentável, com otimização dos recursos naturais para minimizar o impacto ambiental dos edifícios sobre o meio ambiente e seus habitantes.

A demanda por projetos de empreendimentos ambientalmente adequados tem se expandido bastante em Mato Grosso. O prédio do Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) , em Cuiabá, conquistou dois troféus no prêmio mundial de construções sustentáveis, o Breeam Awards 2018.

Em Colíder, muitos já estão buscando informações sobre as construções ecologicamente corretas. De acordo com a arquiteta Nicole Serpa, a arquitetura sustentável vem de encontro à necessidade de desenvolver a consciência ambiental, a salubridade e o bem-estar.

A tendência vem se fortalecendo no Brasil a partir do fim dos anos de 1990, quando as empresas começaram a se interessar em atender aos critérios – como redução do consumos de energia elétrica, água e outros recursos – necessários para obter a certificação Leed (Leadership in Energy and Environmental Design, em português, “Liderança em Energia e Design Ambiental”).

Projetos sustentáveis utilizam processos e materiais de baixo impacto ambiental. Envolve muitos critérios, como os confortos térmico e de iluminação. Envolve por exemplo, caixas d´água, cabos e fios, telhas, janelas, lustres e batentes de portas fabricados com material reciclado.

Outro item são as janelas que têm 80% de alumínio reciclado na composição. Para a arquiteta Nicole Serpa, entre os principais desafios para que essa demanda ganhe escala está a ideia de que o ecológico custa mais caro, mas os investimentos forem analisados a fundo, não são tão mais altos. No fim, a relação entre custo e benefício é imensamente maior nas construções sustentáveis.

Para que a arquitetura sustentável tenha resultados efetivos, ela deve seguir princípios como: a adequação do projeto ao clima do local, minimizando o consumo de energia e otimizando as condições de ventilação, iluminação e aquecimento naturais.

A atenção para a orientação solar adequada, evitando a repetição do mesmo projeto em orientações diferentes. O uso de coberturas verdes, como os ecotelhados, por exemplo.

Evitar sempre o uso de materiais químicos prejudiciais à saúde humana ou ao meio ambiente, como amianto, CFC, HCFC, formaldeído, tratamento de madeira com CCA, entre outros.

A redução dos resíduos e disposição adequada, promovendo a reciclagem e reutilização dos materiais.

A utilização de energia solar fotovoltaica, com possibilidade de injetar o excedente na rede pública.

Prever coleta e utilização de águas pluviais.

O Tratamento adequado de esgoto no local e, quando possível, o uso de banheiro seco.

Email: nicolle_serpa@hotmail.com

Nicole Serpa é arquiteta em Colíder.

Instagran: Nicole Serpa Arquiteta.

Por: Nicole Serpa