oral sin
Especial | VARIEDADES

00 de de 0000 ás 00:00:00

Incêndio em fazenda destrói safra de algodão e maquinário

Imagens que circulam nas redes sociais mostram rolos de algodão e até uma máquina agrícola sendo consumidos pelas chamas; polícia apura possível incêndio criminoso.

(Foto: RepórterMT/Reprodução)

Um incêndio destruiu a produção de algodão de uma fazenda do Grupo Nativas, localizada em Primavera do Leste (235 km de Cuiabá). O caso foi registrado na tarde de sábado (07) e estima-se que o prejuízo seja milionário.

Segundo informações extraoficiais, a fazenda fica próximo a MT-130, sentido ao município de Paranatinga (380 km de Cuiabá). O fogo teria iniciado em uma propriedade ao lado da fazenda, com o forte vento, associado à seca, as chamas se alastraram chegando até a propriedade vizinha e não foi possível conter as chamas.

 

Cerca de 250 rolos de algodão teriam sido destruídios pelo incêndio, além de um maquinário, que estava na lavoura.

Nas redes sociais circulam informações de que o incêndio possa ter sido proposital, o que não foi confirmado pela Polícia Civil, que irá investigar o caso.

Um dos funcionários do Grupo Nativas que, se recusou a passar informações por motivos não esclarecidos. Em contrapartida, ele informou que um dos diretores deve se pronunciar oficialmente.

“Não estou autorizado a passar nenhum tipo de informação, mas o diretor responsável, Canísio Froelich, deve falar na segunda-feira [09]”, explica.

O Corpo de Bombeiros Militar de Primavera do Leste afirmou que tomou conhecimento da ocorrência, mas que não houve chamado por parte dos moradores locais e da empresa responsável pela produção agrícola.

Outro registro

Em Rondonópolis (214 km ao Sul de Cuiabá), bombeiros tentaram controlar um incêndio que atingiu 400 hectares de uma fazenda às margens da BR-163.

O primeiro chamado teria sido há três dias e foi controlado na sexta-feira (06), mas voltou neste sábado (07).

A fazenda está fica p´roxima à zona urbana. A preocupação é que o fogo se alastre e se aproxime das casas.

Bombeiros, tropa do Exército e até militares de folga teriam sidos chamados para dar suporte na ocorrência.

Por: Repórter MT