rei do pano
Especial | VARIEDADES

12 de Março de 2020 ás 08:24:16

Júlio se diz revigorado e cita vitória: "Deus fez vaga para mim"

Ex-governador aproveitou discurso para alfinetar Otaviano Pivetta, que será adversário na disputa

(Foto: Mídia News)

A convenção do Democratas na noite desta quarta-feira (11) oficializou o nome de Júlio Campos como candidato na eleição suplementar ao Senado, marcada para 26 de abril.

O evento foi realizado no Centro de Eventos do Pantanal e reuniu centenas de militantes do partido, prefeitos e vereadores de diversos municípios do Estado e apoiadores de outras siglas. A ausência no ato ficou por conta do governador Mauro Mendes (DEM), que cumpre agenda em Barão de Melgaço.  

Em seu discurso, Júlio lembrou sua trajetória política, citou a cirurgia de transplante de fígado – a qual foi submetido há três anos – e disse estar convicto de que sairá vitorioso nas urnas.

“Tenho certeza que vamos ganhar essa eleição. Não vai ter dinheiro, não vai ter poder, não vai ter caneta. Vai ter o voto do povo. Também estamos preparados para enfrentar as dificuldades. Eu confio em Deus e no voto do povo mato-grossense”, afirmou.

“Sei que muitos achavam que estava encerrada a minha carreira. E estou tendo uma nova vida. Há três anos passei por um transplante. Todos achavam que eu estava fora de combate. Hoje, estou revigorado. Estou com 73 anos, revigorado com o pique de um garoto de 60 ou 50 anos. Tenho certeza da nossa vitória. Essa vaga não existia e foi criada para mim, não adianta. Deus fez essa vaga para mim”, acrescentou.

 

“Alfinetadas”

Com um discurso recheados de alfinetadas aos candidatos do setor do agronegócio, como Otaviano Pivetta (PDT) e Carlos Favaro (PSD), Júlio Campos ressaltou que a sua candidatura é a mais popular.

Ele, inclusive, criticou – ainda que sem citar nomes - o discurso de Pivetta na noite da última terça (10) e que marcou o lançamento da candidatura pedetista.

“Tem candidato que falou que não vai a Brasília buscar emenda. Como não? Não pode. Um Estado pobre como Mato Grosso, os municípios carentes de recurso, você não pode dizer que não vai trabalhar para trazer emendas para Mato Grosso, para trazer recursos. Eu vou, sim, trabalhar muito para trazer recursos para Mato Grosso, para os municípios”, disse.

Campos ressaltou que irá defender a Reforma Tributária e um novo Pacto Federativo, pois, hoje, os prefeitos vivem de “pires na mão”, caçando recursos para obras importantes aos municípios.

“Eu tenho várias bandeiras que vamos no decorrer da nossa campanha ir expondo à população de Mato Grosso. Eu sou a experiência no Senado. Não vou chegar lá aprendendo ser senador, caçando como que faz? Onde que ando? Como que faz um projeto? Como que faz um discurso?", questionou.

"Não, vou chegar lá com a experiência de um homem maduro, equilibrado, mas com muita saúde, com muita força e muita disposição de luta a favor de Mato Grosso e da sua gente”, disse.

 

Suplente

A convenção também confirmou o deputado estadual Dilmar Dal'Bosco (DEM) como primeiro suplente.

Os democratas aguardam a definição do Partido Liberal (PL) para preenchimento da segunda suplência. O convite foi feito ao presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso (AMM), Neurilan Fraga.

A candidatura dos Democratas conquistou o apoio do PTB, partido do deputado federal Emanuelzinho e do ex-prefeito Chico Galindo e assegurou aliança com o PTC, presidida pela dirigente Paulo Cesar.

Eles ainda contam com o apoio do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), que contraria a decisão da cúpula emedebista que se aliou ao candidato Otaviano Pivetta (PDT).

“Estamos agregando forças e a minha candidatura não é partidária, mas sim suprapartidária e é de povo. Júlio Campos no Senado é o povo mato-grossense que vai estar no Senado, os municípios de Mato Grosso que vão estar no Senado. Eu sempre fui municipalista, sempre defendi meu Estado com unhas e dentes. O meu slogan de campanha é voltado aos municípios”, declarou Júlio Campos.

 

Ausência de Mendes

A respeito da ausência do governador, Júlio lembrou que desde a primeira reunião que teve no Palácio Paiaguás, com Mauro Mendes, foi pedido para que ele ficasse neutro nesse pleito eleitoral.

“Pedimos a ele [Mauro Mendes] de que como tem três amigos dele, três aliados dele, disputando a mesma eleição, o mesmo cargo de senador, que o melhor caminho para ele era a neutralidade. Ele prometeu que ficaria isento do processo e continuaria governando bem Mato Grosso como vem fazendo”, lembrou.

Sobretudo, Júlio acredita que no decorrer da campanha, Mauro Mendes poderá até se posicionar, mas espera que o compromisso assumido com o partido de se manter na neutralidade seja cumprido pelo governador.

“Não queríamos forçar a ele nos apoiar, porque sabemos a ligação de amizade de companheirismo. Acredito que o governador vai pensar. Vai analisar friamente daqui para frente e poderá, realmente, até definir por um candidato, mas vamos aguardar, pois está muito cedo”, analisou.

Por: Mídia News